Entenda como a alta na taxa Selic pode influenciar nos investimentos imobiliários

6 minutos para ler

Para quem investe no mercado imobiliário ou quer começar a investir, entender como funciona a economia é fundamental. Um dos pontos importantes que precisam ser compreendidos é a taxa Selic e seu funcionamento, já que a alteração da taxa de juros Selic interfere diretamente no desenvolvimento do setor imobiliário.

Neste artigo, vamos falar sobre a relação entre a taxa Selic e o mercado imobiliário. Nesse sentido, vamos responder o que é taxa Selic, qual é a sua importância e quais são os benefícios da taxa Selic para a economia. Além disso, explicaremos como sua variação pode influenciar no aquecimento do setor imobiliário.

Entenda a importância da taxa Selic para a economia. | Foto: Freepik/pch.vector.

O que é a taxa Selic?

Ela é a taxa básica de juros da economia brasileira, um índice pelo qual todas as taxas cobradas pelos bancos no Brasil se balizam. A cada 45 dias, o Copom, Comitê de Política Monetária do Banco Central, se reúne para definir se a Selic aumenta, diminui ou se mantém instável, influenciando as operações financeiras diárias no País.

O termo Selic é a sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, que consiste em um programa virtual em que os títulos do Tesouro Nacional são comprados e vendidos diariamente por instituições financeiras.

Um cálculo que verifica a taxa média ponderada dos juros que as instituições financeiras praticam é realizado para que seja possível definir a taxa Selic. Por isso, ela é fundamental para saber o momento exato para investir em um bem.

A taxa Selic atual está em 10,75%. No dia 2 de fevereiro deste ano, o Copom decidiu subir a taxa Selic acumulada de 9,25% em 2021 para 10,75%. Isso significa a oitava alta consecutiva da taxa. 

Por que a taxa Selic é importante?

A Selic foi criada em 1979, período em que a economia brasileira enfrentava um cenário de hiperinflação. Desde sua criação, seu objetivo sempre foi ser uma ferramenta de controle da inflação. 

Isso significa dizer que qualquer mudança que o Banco Central do Brasil fizer na taxa influenciará na inflação, resultando na sua alta ou na sua queda. Ou seja, a Selic serve como uma referência para a economia brasileira, já que controla a inflação, um indicador que revela muito sobre a situação econômica do país. 

Ao aumentar a taxa Selic, o Banco Central tem como objetivo desacelerar a economia, impedindo a inflação de ficar muito alta. Nesse cenário, os preços tendem a baixar ou ficar estáveis. Em contrapartida, os juros de crédito, parcelamento e cheque especial ficam mais altos. 

Por outro lado, quando o Banco Central baixa a taxa Selic, a intenção é estimular o consumo e aquecer a economia. Dessa forma, se a inflação estiver abaixo da meta, ela aumenta e o crédito fica mais acessível, pois os bancos tendem a baixar as taxas de juros.

O que motiva a taxa Selic aumentar ou diminuir?

Ao alterar a taxa Selic, o objetivo é influenciar a economia e o custo da nossa moeda. Quando a inflação está acima da meta, espera-se que o Copom decida elevar a taxa Selic. Porém, se a inflação está controlada e abaixo da meta, o normal é que o Copom opte pela queda da taxa Selic.

A Selic alta é boa para quem quer poupar, mas já não é amiga de quem quer comprar ou obter crédito no mercado, como financiamento, por exemplo, já que isso representa juros mais altos.

Isso tem relação com quanto de juros uma instituição financeira precisa pagar para conseguir recursos e, por meio deles, fazer empréstimos para os clientes que solicitarem algum crédito.

Como a alta na taxa Selic pode influenciar os investimentos imobiliários?

Saiba qual é a relação entre a taxa Selic e o mercado imobiliário. | Foto: Freepik/xb100.

O mercado imobiliário sofreu com a pandemia da Covid-19, mas, surpreendendo a todos, se reergueu muito rápido. A verdade é que o mercado imobiliário vive uma grande evolução e o seu crescimento é perceptível para empresas que atuam no ramo e também para investidores.

Os efeitos da mudança na taxa são percebidos por todos os brasileiros, bancos e também investidores estrangeiros. Quando falamos especificamente sobre o mercado imobiliário, também é possível identificar uma mudança no setor quando a taxa está alta. Com a Selic em alta, ainda que haja a redução dos preços dos imóveis, também passam a ocorrer reajustes nos valores dos financiamentos.

Um imóvel é um bem que possui um valor consideravelmente alto e extremamente sensível ao se tratar de crédito. Vamos imaginar que a taxa Selic suba de 10% para 12%. A consequência dessa situação é que, com esse aumento, um número baixo de pessoas decide investir, financiando o imóvel, assim, a procura se retarda e desacelera o preço dos bens em questão.

Quando a taxa está em alta, os empréstimos e os financiamentos têm taxas maiores. Porém, ao mesmo tempo podem haver quedas, reduzindo os preços tanto de proprietários, quanto de construtoras estimulando de maneira considerável as vendas e proporcionando preços atrativos.

Portanto, é possível afirmar que a taxa Selic e o mercado mobiliário tem no juros do financiamento sua principal relação. Quando a taxa de referência dos juros está baixa, os brasileiros financiam imóveis com crédito mais barato, o que é extremamente vantajoso. 

É possível investir em imóveis mesmo com a alta da Selic?

Diante das informações presentes ao longo do texto, é possível dizer que a cada vez que a Selic sobe, o mercado imobiliário tende a puxar um pouco o freio de mão, ou seja, desacelerar. Entretanto, demonstrando a força que os imóveis apresentam como investimento, mesmo com a alta da taxa Selic, continua sendo uma boa opção investir nesse setor. 

O mercado imobiliário é marcado pela sua solidez. Nesse sentido, os imóveis são investimentos que têm grande chance de valorizar, ou seja, representam uma boa possibilidade de lucro tanto para aluguel quanto para revenda.  Isto é, mesmo em cenários não tão favoráveis para se investir, ter uma parte do dinheiro alocado em imóveis é interessante até mesmo para aqueles que preferem outros tipos de investimento.

A compra de um imóvel pode também fazer parte da carteira de diversificação de investimento de qualquer pessoa. Ter um portfólio de investimentos diversificado reduz os riscos do investidor.

imóveis retomados

Posts relacionados

Deixe um comentário