O que a reforma do IR muda para você investidor?

6 minutos para ler

Todos os anos, a Receita Federal cobra um dos tributos mais temidos pela população brasileira, o Imposto de Renda. O cálculo do valor do Imposto de Renda é feito a partir das informações financeiras de cada contribuinte, obedecendo à tabela do organismo fiscalizador. Recentemente, houve a reforma do IR, que resultou em alterações importantes. Por esse motivo, preparamos para você um artigo para apresentar os principais pontos abordados na reforma. Confira!

O que é o IR?

O imposto de renda é um tributo federal aplicado sobre a renda. O principal propósito desse imposto é fazer o acompanhamento da sua evolução patrimonial. Para isso, o governo solicita, anualmente, a declaração do IR para empresas e trabalhadores.

Durante o ano, os indivíduos e as empresas ganham e gastam dinheiro. No geral, a renda é tributada no momento em que é recebida. Mas, no ano seguinte a essa movimentação de dinheiro, a Receita avalia se houve a cobrança correta do que você deveria pagar de acordo com o tamanho dos seus ganhos.

A Receita Federal tem acesso às informações referentes à sua renda a partir da “Declaração de Ajuste Anual” para o Imposto de Renda sobre Pessoas Físicas. Para fazer a declaração é determinado um período, geralmente, entre o início de março e o fim de abril. Nesse período, é preciso apresentar todos os ganhos e gastos do ano anterior.

Conheça como a reforma no imposto de renda afeta os investimentos – Reforma IR. | Foto: Pixabay.

O que significa essa reforma do IR?

A reforma no IR, que constitui a segunda etapa da reforma tributária, foi votada e aprovada na Câmara dos Deputados. Com isso, surgiram alterações neste imposto.

A reforma altera a tabela progressiva do imposto de renda e a tributação de investimentos. Porém, o ponto que mais recebeu a atenção da pessoa física que é investidor foi o retorno da cobrança de Imposto de Renda aos dividendos distribuídos por empresas a seus acionistas. Essa cobrança estava isenta desde o ano de 1995. Porém, após a reforma no IR, a alíquota aprovada foi de 15%.

É fundamental estar bem informado para declarar o seu imposto de renda, evitando multas ou problemas com as autoridades. Continue a leitura para entender melhor algumas mudanças que a reforma trouxe e se garanta!

IRPF recebe ampliação da faixa de isenção

A faixa de isenção dos rendimentos tributáveis de pessoas físicas subiu de R$ 1.903,98 para R$ 2.500 por mês. Então, salários, aluguéis, aposentadorias e outros rendimentos estarão isentos da cobrança até esse limite.

Além disso, a alíquota máxima, de 27,5%, afetará somente rendimentos que ultrapassem o valor de R$ 5.300, sendo que, anteriormente, incidia sobre o valor de R$ 4.664,68. A tabela do imposto de renda da pessoa física não recebia novas diretrizes desde o ano de 2015.

Alteração na declaração simplificada

O texto da reforma do IR aprovado permanece permitindo que qualquer contribuinte utilize a declaração simplificada, ou seja, não há limitação de renda. Porém, uma alteração feita foi a redução do valor máximo de dedução, que caiu para R$ 10.563,60 por ano.

Operações de day trade tiveram redução da alíquota de IR

De início, é importante explicar brevemente o que é o day trade. No mercado financeiro, essa é a denominação dada para operações de compra e venda de ações que acontecem em um único pregão. A alíquota e o IR que incidem sobre os ganhos com essas operações diminuíram de 20% para 15%.

Como essa reforma afeta os investidores?

Se você é um investidor e está procurando pelo termo “reforma imposto de renda” para se atualizar e para saber como isso afetará os seus investimentos, saiba que, neste artigo, podemos esclarecer algumas dúvidas.

Uma importante medida tomada pela reforma do imposto de renda e que pode trazer consequências para a vida dos investidores é a alteração da cobrança sobre lucros e dividendos. Antes da reforma, essa cobrança era isenta, mas, agora, será cobrada uma alíquota de 20%.

Com isso, as empresas que possuem um propósito específico ou as grandes construtoras acabam sendo afetadas, pois recebem o retorno do investimento através de dividendos ou distribuição dos lucros. Ao prejudicar as grandes construtoras, o mercado imobiliário pode desacelerar. Veja abaixo outras medidas que a reforma do imposto de renda propõe e que afetaram diretamente os investidores.

1. Fim dos juros sobre o capital próprio

Os juros sobre capital próprio constituem em uma forma de lucro para as empresas. Mas a reforma instituiu o fim deles.

2. Taxas incidem sobre os dividendos

A distribuição dos dividendos pelas empresas foi a primeira alteração da reforma, que antes era isenta. A ideia inicial do governo era de instituir uma porcentagem de 20% sobre o valor, porém o valor aprovado foi de 15%.

Diante disso, a reforma determina que todos os lucros e dividendos que são pagos terão cobrança de 15%. Logo, quem é investidor de ações na Bolsa de Valores e lucra com dividendos terá que pagar imposto.

Assim como todas as regras, existem exceções para essa cobrança. A tributação dos dividendos continuará sendo isenta quando, por exemplo, forem empresas coligadas com participação mínima de 10% ou controladoras e sociedades sob controle comum.

3. Fundos de investimentos

Os fundos de investimentos também recebem mudanças propostas pela reforma do imposto de renda. Tais mudanças estão ligadas aos dividendos, que permaneceram isentos, sendo incorporados ao valor patrimonial das cotas, mas serão tributados em 15% assim que o investidor realizar o resgate.

Ademais, também foram criadas alterações em relação ao “come-cotas”. Com o projeto aprovado pela Câmara, ele será cobrado uma vez por ano no mês de novembro. Para essa cobrança, a alíquota vai variar de acordo com o prazo médio do fundo, sendo de 15% a 20%.

4. Fundos imobiliários

Em relação aos fundos imobiliários, poucas alterações foram aplicadas. Inicialmente, a ideia original do texto da reforma do imposto de renda era a tributação da distribuição de dividendos dos fundos para pessoas físicas, incidindo uma alíquota de 15%. Porém, isso não foi aprovado e os fundos imobiliários permanecerão com os seus rendimentos livres e sem cobrança de imposto de renda.

Ao final dessa leitura, você provavelmente já esclareceu as suas dúvidas a respeito do que é imposto de renda e das alterações que a reforma do IR trará. Ficou interessado em investir no ramo imobiliário? A Resale agiliza a compra de imóveis entre bancos e compradores, facilitando o investimento.

imóveis retomados
Posts relacionados

Um comentário em “O que a reforma do IR muda para você investidor?

  1. O conteúdo abordado é de extrema relevância, especialmente para aqueles que estão iniciando o processo de investimento no mercado imobiliário. Obrigada!

Deixe um comentário