Confira os termos mais usados no mercado imobiliário

6 minutos para ler

Para quem trabalha na área, não é nenhuma novidade que o mercado imobiliário tenha uma imensidade de termos que são utilizados no cotidiano e que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam investir em imóveis. Esses termos irão ajudar aqueles que querem entender melhor o setor e a tomar decisões mais assertivas. 

Antes de tornar-se um investidor, é preciso estar familiarizado com todos os termos da área. Mas não se preocupe! Separamos uma lista com os termos mais utilizados pelo mercado de imóveis. 

Ao longo da matéria, você verá o que significam alguns termos do mercado imobiliário e como ser um investidor de sucesso no mercado imobiliário aprendendo os 15 termos mais utilizados do ramo. Continue a leitura! 

Saiba quais são os termos mais utilizados no mercado imobiliário. | Foto: Freepik.

Confira alguns dos termos mais utilizados no mercado imobiliário a seguir:

1. Alienação fiduciária

Esse é o nome dado a uma espécie de garantia das propriedades, ou seja, trata-se de um acordo feito entre o credor e o devedor, que ocorre quando o devedor usa o imóvel como garantia do pagamento de uma dívida.  

O bem fica à disposição para que o devedor possa usufruir, contanto que não possa ser alienado até que a dívida seja liquidada. Além de ser um termo muito comum no mercado imobiliário, muitos contratos de compra utilizam essa alienação como garantia. 

2. Valor de mercado

Um tema não tão complicado, pois já utiliza nomes mais comuns e conhecidos. No entanto, este trata-se do preço de compra e venda de um bem, conforme as leis de demanda e avaliação. 

3. Incorporação imobiliária

Este refere-se a uma prática muito comum dentro do mercado imobiliário braisleiro. Nas incorporações imobiliárias, o foco estava em projetos de edifícios, onde o incorporador é responsável por comercializar as unidades ainda na planta ou em fase de construção. 

Quem adquire esses imóveis está, ao mesmo tempo, ajudando a financiar o próprio empreendimento. 

4. Habite-se

Trata-se de um documento para a certificação de que o imóvel seja construído com base nas regras estabelecidas pela prefeitura. Pode ser solicitado tanto pela construtora quanto pelo proprietário. 

Após a solicitação de alguns destes, é realizada uma vistoria no imóvel a fim de analisar se ele foi construído dentro dos conformes do projeto inicial. Lembrando que não é possível comercializar um imóvel de maneira legal sem o seu documento oficial. 

5. INCC

O INCC é uma sigla que corresponde ao Índice Nacional de Custo de Construção. Trata-se de uma taxa que é calculada mensalmente através da Fundação Getúlio Vargas (FGV), e é utilizado com a finalidade de medir a flutuação do preço dos materiais ou produtos usados no projeto de construção habitacional. 

6. Valor geral de vendas

Mais conhecido pela sigla VGV, este funciona como um indicador essencial para as construtoras. Esse índice é utilizado para calcular a viabilidade dos projetos, considerando seus valores potenciais de vendas de todas as unidades pretendidas para a alienação.  

Dessa forma, o VGV indica a possibilidade (ou impossibilidade) de adquirir imóveis a fim de obter a renda de aluguel. O índice pode ser útil para a tomada de decisões para adquirir ou não um imovel. 

7. Unidades imobiliárias

Como o nome sugere, trata-se da quantidade de imóveis que existem em um empreendimento ou terreno. Suponhamos que há um prédio com 100 apartamentos, isso significa que ele possui 100 unidades imobiliárias. 

8. Crowdfunding imobiliário

Trata-se de uma modalidade de investimento com o objetivo de buscar recursos com diversos investidores. Estes são os que ajudarão a financiar o projeto imobiliário coletivamente, em troca, esses investidores recebem uma parte do valor geral das vendas do empreendimento, como os rendimentos dos aportes realizados. Quer entender melhor? Clique aqui!

9. Escritura

Talvez este seja um dos termos mais conhecidos. A escritura diz respeito a um documento de extrema importância no mercado imobiliário, essencial para adquirir uma casa ou apartamento, pois é ele que oficializa a transação imobiliária. 

A escritura de um imóvel representa o ato jurídico de transmissão de posse e domínio do bem do vendedor para o comprador. 

10. Caução

A caução tem como objetivo garantir o cumprimento das obrigações relacionadas aos valores monetários entre as partes de um contrato. É realizado em depósito e é um dos tipos de garantia mais usados dentro do mercado imobiliário. Ele pode ser usado nos contratos de locação de imóveis, por exemplo. 

11. Hipoteca

A hipoteca é um termo muito conhecido, mas seu significado real pode confundir um pouco. A hipoteca corresponde à garantia real utilizada para sujeitar imóveis como forma de pagamento de uma dívida de empréstimo. 

Caso essa dívida não seja quitada, o credor pode executar a hipoteca e, assim, tomar o imovel hipotecado do devedor para liquidar a quantia devida. 

12. Contrato de gaveta

Não é nada mais do que um registro conforme um combinado entre as partes. Nesse documento, uma das partes registra o contrato, guardado para posteriores negociações.  

Vale ressaltar que o contrato de gaveta não é um documento oficial, pois não é registrado em cartório. 

13. Alvará

Com certeza você já deve ter ouvido falar do alvará. Trata-se de um documento emitido pelo órgão público que é responsável por autorizar a construção de um projeto. Além deste, há outros alvarás, como os de funcionamento, para imóveis comerciais. 

14. Crédito imobiliário

Este refere-se ao empréstimo que as instituições financeiras concedem às pessoas que desejam adquirir um imóvel financiado. Esse crédito costuma ser oferecido pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) ou pelo Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

15. Consórcio imobiliário

O consórcio é uma forma de investimento em que um grupo de pessoas se reúnem por um mesmo objetivo: a compra de um imóvel. A soma de recursos aportados arrecada uma certa quantia e, a cada mês, um integrante do consórcio pode ser contemplado com uma carta de crédito, responsável por viabilizar a compra do bem. 

Além disso, é possível oferecer alguns lances para obter a carta de crédito e antecipar a aquisição do imóvel. Essa é uma das formas mais vantajosas de adquirir um imóvel, pois não cobra taxas de juros. 

continue atualizado
Posts relacionados

Deixe um comentário